sábado, 26 de julho de 2008




















"Nem bem amanhecera, titilando como das outras vezes,
Afoito e fugaz, querendo logo se refestelar, chega e,
De bem pertinho, contempla elegantemente, e diz antes,
Porém do beijo tão desejado:

Dar-te-ei, de vez, toda a minha riqueza;
Peço-te, entretanto, que não fiques com ela,
Mas a dês para o teu maior amor!

A flor ficou reflexiva, deixou que o segundo seguinte se fosse,
E lhe respondeu:

Então ficas com ela, porque devolvê-la-ei, ato continuo!
O beija-flor encontrara a sua predileta flor!
Não disse, mas era a que mais beijava,
Com quem mais tempo ficava e, se longe, depressa voltava.
A essa, ele verdadeiramente amava!"

(José Valdir Pereira)